Vamos lá!

1. “Você é tudo para mim.”

Um amigo meu me enviou uma mensagem de texto e disse, em relação à menina que ele conhecia e namorava a apenas seis meses, “ela significa tudo para mim”. Seis meses depois, ele a pediu em casamento e continuam juntos.

Tenho certeza de que eles serão “felizes para sempre” casados. Mas às vezes eu ainda penso sobre esse texto e me sinto um pouco como: uhm ok…

Quando você faz seu parceiro seu “tudo”, você está dizendo que todo o resto – mesmo você – não é nada.

Você está sugerindo – como, em voz alta – que o resto de sua vida não significa nada. Sem o seu parceiro, você ficaria com pouco para viver.

Isso não é romântico. Não é fofo. E definitivamente não é saudável.

2. Comunicação constante

Veja bem, a comunicação é importante. Ótimo. Um pilar de um relacionamento forte – bom trabalho.

A comunicação constante, no entanto, não é legal. Não faz bem.

Um dos meus amigos começou a namorar com essa garota, e não sei se era ela ou ele ou os dois (acho que os dois), mas eles conversam por telefone diversas vezes por dia. Ela apenas o chamaria esporadicamente, nas primeiras vezes, para tratar de aparentemente algo legítimo, e ele diria que retornaria em seguida, mas não ligaria antes de passar uma hora.

E aconteceria várias vezes ao dia. Sempre.

E então ele casou com ela. E, até onde eu sei, eles ainda passam horas de seus dias fazendo isso.

Cara, isso não é normal depois da 7ª série. Que diabos vocês estão fazendo com suas vidas? A auto-suficiência emocional passa por um longo, longo caminho. Não poderia confiar em seu parceiro para companhia ou segurança quando você pensa ou coma alguma coisa.

3. Pensar que todas as suas emoções são válidas

Querida, eu digo isso porque eu me importo com você: nem todas as suas emoções têm pernas.

Sim, suas emoções são reais – ninguém está dizendo que você não tem permissão para sentir o que sente. Absolutamente, reconheça tudo o que você sente se isso faz você se sentir bem. Mas reconhecendo que você sente algo não significa que esses sentimentos precisam ser reconhecidos e honrados por todos os outros.

Algo precisa ser autogerido.

Assim como todos os pensamentos que surgem em nossas cabeças, não vale a pena dizer em voz alta todas as emoções que aparecerem. Alguns desses sentimentos são melhores meio cozidos e geridos por você.

Leia também: Inteligência Emocional: o verdadeiro sucesso

4. Pedir que corrija seus problemas emocionais

Imagem semelhante, mas maior.

Seu parceiro não é responsável pelo seu bem-estar emocional. Ninguém pode resolver seus problemas emocionais a não ser você.

Não estar lá para você, ser antipático para o seu péssimo dia, estar “distante” durante um abraço ou sair com amigos em vez de confortá-la – são todos exemplos de você esperando que eles cuidem de você, ao invés de cuidar de si mesmo.

Assuma a responsabilidade por suas próprias emoções e espere que seu parceiro seja responsável pela sua.
Existe uma diferença sutil, porém importante, entre apoiar o seu parceiro e ser emocionalmente forçado ao seu parceiro. Há uma diferença como indivíduos de livre arbítrio, que agregam a vida do outro – e que dependam do outro por cuidados.

Não use um ao outro para resolver seus problemas, emocionalmente. Você pode fazer melhor do que isso.

5. Tentar fazer o outro feliz

Uma vez fiquei com um cara que me conquistou perguntando, no início, “como eu faço você feliz?”

Pensei que esse era o “creme de la creme” do #objetivosderelacionamentos. Talvez seja, em algum lugar, com duas pessoas saudáveis com fortes sentidos de auto-suficiência. Mas com ele, o que poderia ter sido um “tipo de espécie de amor verdadeiro” virou lentamente um amor devastado em que ele baseava sua autoestima no meu estado de espírito minuto a minuto.

6. Fazer tudo juntos

Sagrada dependência, Batman.

Há uma tendência aqui.

7. Ser sincero em tudo

Eu não quero ou preciso saber se ele acha a estagiária atraente. Simplesmente não. A não ser que ele precise falar em voz alta, por motivos próprios, eu literalmente não tenho necessidade de saber isto. Se isso acontecer com ele, eu só poderia reconhecer que ele é humano, e provavelmente a acha bonita e seguir com a minha vida.

Esta é uma daquelas situações em que, mesmo supondo, eu preferiria ser permitida ser felizmente ignorante e deliberadamente inconsciente.

O mesmo vale na sua atração por eles, ou você está tendo aqueles pensamentos “é isso que eu ainda quero?”. Não traga toda essa confusão um para o outro. Simplesmente não.

8. Buscando equilíbrio para manter o placar

Conheço algumas pessoas que avaliam as tarefas como se ainda estivessem ganhando adesivos de estrelas na primeira série.

Eu conheço casais que fingem “eu cozinho, você lava” e discutem porque um deles decide fazer cookies, mas o outro não gosta de cookies e se recusa a lavar.

Eu me recuso a lutar por tarefas domésticas. Ou quem faz a quem mais sexo oral. Eu realmente me recuso a lutar por muitas coisas, mas eu definitivamente me recuso a lutar por qualquer besteira assim.

Porque acima de qualquer luta específica, eu me recuso a namorar alguém que trata a nossa relação com jogos infantis (“isso não é justo!”) ou conta se tenho dez itens a mais ou menos na hora de pagar.

9. Revestido de açúcar / Nunca machucar os sentimentos da outra pessoa

Nós fazemos muito disso no nosso dia a dia; eu ficaria louco se eu tivesse que andar com meu parceiro como se ele tivesse 8 anos. Isso é muito cansativo.

Não estou dizendo para ser indiferente. Quero dizer, seja uma pessoa legal – especialmente para o seu parceiro. E definitivamente (leia acima) cuide das suas necessidades emocionais antes de derramá-las em outra pessoa.

10. Contos de fadas

E tentando comprar o caminho para o amor.

Férias, símbolos de status, um filho – e depois outro. Gestos românticos, misturando-se, exibições publicas de carinho … tudo para se exibir. Você pode ganhar algum tempo, mas você está apenas disfarçando a verdadeira natureza através de mudanças superficiais.

11. Permanecer na zona de conforto

Eu sei, nossos avós fizeram isso, mas você sabe que muitas das donas de casa daqueles tempos (e algumas de hoje) fumavam e bebiam às 11 da manhã, certo?

Quero dizer. Só estou dizendo.